Nenhum comentário

Criação-Queda-Redenção-Consumação

Criação-Queda-Redenção-Consumação

Nós somos cristãos confessos. Cremos e confessamos a Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Temos a Bíblia como nossa regra de fé e prática. Somos, portanto, criacionistas. Cremos que Deus criou todas as coisas a partir dEle mesmo, Onipotente que é, o que inclui o próprio homem. A este, Deus deu domínio sobre toda a terra, e isto lhe conferiu trabalho e paz, e paz e trabalho (Gn 1.26-30).

Mas após a queda do primeiro homem a humanidade passou a caminhar errante, alternando, na história, conquistas e fracassos, sombras e desertos: descaminhos, posto que a sua natureza ficara talhada para o mal. Dentro deste contexto, a narrativa bíblica da Criação-Queda-Redenção-Consumação nos faz compreender – com um pouco mais de nitidez – as desventuras por que passa o ser humano na sua trajetória terrena, por conta da sua natureza corrompida pelo pecado (Gn 3.9-20).

Em nossos dias, em nosso país, os escândalos de corrupção que assombram o mundo; a crise moral e ética que se instalou nos diversos segmentos da nossa classe política e social, que assaltam o erário brasileiro, apenas confirmam a essência humana decaída, contra a qual precisamos lutar diuturnamente, sob pena de vermos nossos filhos e netos herdarem uma nação indigna! Somando-se a isto, a pseudoliberdade pregada pela mídia e pelos formadores de opinião, aponta para uma conjuntura social estranha aos valores bíblicos, beirando já, muitas vezes, as fileiras de nossas igrejas! “E por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.” (Mt 24.12)

Graças a Deus, Ele mesmo providenciou a Redenção de seus filhos (Gn 3.15). Cristo, nosso cordeiro pascal prometido desde o Gênesis, encarnado, morto e ressurreto (Mt 28.6-7), pagou o preço e nos resgatou para a Sua maravilhosa luz. E ele voltará para buscar a Sua Igreja, que é composta por todo aquele que confessá-Lo como senhor, salvador e Deus, consumando, assim, a Sua Obra (João 14.3). A Ele, pois, a glória, pelos séculos dos séculos. Amém.

Pb. Avaniel Marinho

Postar um comentário